7500+ artigos disponíveis em stock
🎄 Regresso possível até 31.01.2023
Seu parceiro para astronomia
Revista > Prática > Conselhos e Truques > 5 formas de documentar as suas observações
Prática

5 formas de documentar as suas observações

Não importa se é fotografia, desenho manual ou gravação. Todos os astrónomos amadores deveriam ponderar ter um diário de observação. Com este artigo saberá o porquê.

Fotografia: AstroStar / shutterstock Fotografia: AstroStar / shutterstock

Um diário de observação documenta as suas observações e a sua jornada como astrónomo amador. Descubra o porquê de valer a pena e que tipo de registo se adapta melhor a si.

Com o nascer do sol, não só desaparece a noite, como também muitas vezes a lembrança da última observação. Independentemente de ter sido um sucesso ou fracasso — sem notas, as suas observações com o telescópio e todos os seus detalhes perdem-se demasiado depressa.

Na próxima observação, dedique algum do seu tempo a documentar os seus resultados. Desta forma, pode recuar dias, meses ou anos e observar o seu progresso, porque os seus conhecimentos, interesses ou o seu equipamento estão sempre a evoluir.

Porquê ter um diário de observação?

Um diário de observação ajuda-o a arquivar e a comparar as suas observações, a aprender com os erros e sucessos ou a preservar bonitas experiências. Em qualquer um dos casos, pode concentrar-se na sua observação, da qual poderá beneficiar a longo prazo. Por escrito, é naturalmente muito mais fácil partilhar os seus resultados com amigos e outros astrónomos amadores.

Não existem regras aqui, porque o diário é personalizado. Analógico ou digital, com texto ou imagem, ou uma combinação de ambos. Torne o ato de documentar o mais conveniente e simples possível. Afinal de contas, deve ser uma atividade prazerosa e não uma tarefa enfadonha no final de uma longa noite de observação. No local, anote ou esboce os dados mais importantes. Mais tarde, avance para os detalhes no descanso da sua casa.

Como descrevo uma observação?

Objeto:
Nome, número de catálogo, tipo, constelação
Equipamento:
Telescópio, abertura, distância focal, ocular, ampliação, filtro, acessórios
Observação:
Data, hora local, localização, altura, "seeing", meteorologia/temperatura, SQM
Descrição:
Forma, brilho, tamanho, impressões pessoais
Fotografia:
Câmara, tempo de exposição, ISO, filtro, edição posterior

Pode decidir o quão pormenorizados ou científicos serão os seus registos. Portanto, na visão geral selecione apenas os pontos que lhe pareçam importantes e significativos. Para principiantes em astronomia, por exemplo, é inicialmente menos interessante listar todas as características técnicas do que registar as expectativas e impressões pessoais.

À medida que os seus conhecimentos aumentam, pode também ir desenvolvendo o seu registo de observação. Importante: Tome nota também do que não vê ou caso não tenha conseguido distinguir claramente um objeto. Em conjunto com as notas sobre as circunstâncias da observação, descobrirá a razão mais rapidamente, ao mesmo tempo que aprenderá algo novo para a noite seguinte.

Reúna as suas observações num único local para que possa acedê-las a qualquer momento — seja numa pasta de arquivo ou no seu portátil. O mais fácil é ordenar cronologicamente os registos. No caso das astrofotografias e desenhos, o ideal é organizá-los de acordo com o seu número de catálogo ou a respetiva constelação. Veja as nossas cinco sugestões de como documentar as suas observações:

Nebulosa planetária NGC 7354 em Cefeu, desenho de Marcus Schenk com um telescópio dobsoniano de 12 polegadas Nebulosa planetária NGC 7354 em Cefeu, desenho de Marcus Schenk com um telescópio dobsoniano de 12 polegadas

1. Para novos observadores: um diário escrito

Este método de documentação é certamente o mais fácil e intuitivo. Muitos gostam também da sensação de escrever e de folhear. Tome nota do que vê e do equipamento que utiliza durante a observação. Utilize um bloco de notas no local e outro em casa para mais tarde passar a limpo e aprofundar as suas ideias.

Dedique uma página (dupla) a cada objeto e utilize livremente o espaço para os seus registos e desenhos. Para um diário mais estruturado, basta preencher um questionário de observação impresso com os pontos mais importantes. As folhas podem ser depois agrafadas numa pasta de arquivo ou digitalizadas, o que lhe vai permitir uma visão de conjunto.

2. Para observadores ambiciosos: astrofotografias

A documentação através de astrofotografias é naturalmente mais exaustiva. Permite-lhe registar não só os dados essenciais, como também o seu campo de visão exato e ainda estudar posteriormente os objetos em pormenor. A forma e o brilho mantêm-se percetíveis. No entanto, a fotografia requer prática e um conjunto vasto de equipamentos, especialmente para objetos de céu profundo. O telescópio passa a ser, através de um adaptador, a teleobjetiva da sua câmara DSLR. Com a ajuda de um sistema de seguimento, pode tirar várias fotografias de estrelas, planetas ou outras galáxias com exposições longas.

Não desanime se as fotos parecerem desvanecidas. Através de um software de edição de imagem, é necessário "empilhar" primeiro as imagens de um objeto para tornar visível o máximo de detalhes possível e depois "esticá-las" para realçar os contrastes. Adicione notas e informações à fotografia relativamente às configurações da câmara. Com este método de documentação, não só pratica a observação, como também a arte da fotografia, ao mesmo tempo que regista o seu progresso. Saiba mais sobre a astrofotografia aqui.

3. Para observadores estruturados: tabelas digitais

Quem não quiser ter um diário de observação escrito à mão ou quiser utilizar um bloco de notas exclusivamente para notas de campo, também pode digitalizar as suas anotações posteriormente. Para isso, basta uma simples tabela de Excel. As notas são mais concisas, mas mais claras. Pode ordenar os dados por data de observação ou objeto, assim como listar e preencher as colunas com as características que são importantes para si. Também pode criar links para os ficheiros de imagem. A pesquisa por palavra-chave constitui uma vantagem na medida que permite encontrar dados ou objetos mais rapidamente.

4. Para observadores móveis: dictafone

O dictafone é outro método de documentação. Permite-lhe registar convenientemente as suas ideias durante a observação através do telescópio. Sem lanternas de cabeça, sem cadernos de notas e sem apontamentos borratados devido ao orvalho. Desta forma são preservados todos os detalhes que, caso contrário, se perderiam no caminho de regresso a casa. Encontrar passagens específicas pode ser um pouco mais difícil.

Dê, por isso, às suas gravações áudio a mesma estrutura que uma entrada escrita. Comece pela data, localização e hora para que possa facilmente ordenar as descrições que fizer posteriormente. Também é útil começar uma nova gravação para cada objeto e não pausar apenas. Poderá haver uma ou outra pessoa que utilize o dictafone apenas para as suas notas de campo, para passá-las posteriormente para um formato por escrito. Se tiver memória livre, a função de gravação do seu smartphone é suficiente. Contudo, um dictafone de boa qualidade também não custa uma fortuna. Certifique-se de que opta por um com luz vermelha ou ajuste o brilho do ecrã do seu smartphone antes de gravar.

5. Para observadores criativos: desenhos astronómicos

À semelhança da astrofotografia, os desenhos astronómicos representam um envolvimento particularmente intenso com a observação. Exigem prática e tempo, mas também permitem uma maior aprendizagem. Por último, mas não menos importante, treinam a sua visão telescópica e o seu olho para os detalhes. Os desenhos são criados in loco no telescópio e reproduzem a vista pela ocular. O seu equipamento deve incluir uma lâmpada de infravermelho, uma prancheta como base de apoio, lápis de diferentes graus de dureza e uma borracha. Um círculo de 8 a 12 cm de diâmetro indica o campo de visão.

Os desenhos são uma boa solução para a lua, planetas e objetos de céu profundo, tais como nebulosas e aglomerados estelares. Comece por procurar pontos proeminentes, tais como estrelas brilhantes ou sombras percetíveis. O ideal é começar por desenhar as estrelas mais brilhantes para depois se aproximar do objeto principal e, posteriormente, complementar com os detalhes. Normalmente desenha-se a preto e branco, obtendo assim um negativo. Através de scanners e software de edição de imagem, os desenhos podem ser novamente invertidos. É particularmente interessante comparar desenhos de astronomia realizados por diferentes observadores do mesmo objeto, porque cada um tem o seu próprio estilo.

Agora é a sua vez!

Esta noite, pegue numa caneta, papel e no seu telescópio e comece com passos pequenos. Depois de ter escrito ou desenhado alguns registos, encontrará rapidamente uma rotina e um formato que se adequem às suas observações. E o impacto positivo na sua perceção do nosso céu estrelado não tardará a fazer-se sentir.